8 de novembro de 2010

confissões de uma mulher


autor: bruno M lima
Dedico {esa escrita a todas as mulheres brasileras.}

Já era de madrugada eu estava desesperada, meu marido só me xingava tudo pra ele era minha culpa, eu já não estava mais agüentando.

Foi quando finalmente ele dormiu, mas eu, eu não... Não conseguia dormir, meus olhos pesavam e mesmo assim continuava acesa. Já tinha tomado praticamente toda a garrafa de vinho e resolvi sair pro quintal, peguei a garrafa e sentei em um banquinho no portão de casa. Bebia e chorava, já não via praticamente mais nada, e o safado lá dentro roncando dormia muito bem como se nada tivesse acontecido.

Eu parecia uma lunática sentada chorando de camisola com uma garrafa de vinho no portão de casa. A rua estava vazia, também já era de madrugada já passavam das

2:00h foi quando de repente surgiu ele. Muito bonito atencioso.
Aproximou-se de mim preocupado, me vendo naquela situação queria saber o que havia acontecido, ele era um visinho que sempre me chamou muito a atenção principalmente quando eu era adolescente, mas nunca me deu atenção sempre me tratou como uma irmãzinha. Ficou um tempo comigo ali sentado me apoiando me escutando, como um amigo, como um irmão.

E quando finalmente eu me levando e vou entrar ele me puxa em seus braços e me lasca um beijo apaixonado, que me desloca, tira-me do ar, nunca havia me acontecido coisa assim. Não resisti e retribui ao calor do momento sem pensar entrei de corpo e alma.

Despedimos-nos e entrei, com certeza naquela noite não dormi mais, passava aquele momento toda hora como reprise em minha mente. Então comecei a me sentir usada pensando que ele havia se aproveitado de minha fragilidade pela situação, comecei a me sentir mal... Até que adormeci.

No dia seguinte acordei imaginando se tudo havia sido um sonho, que eram apenas imaginação, foi quando o telefone tocou, era ele me desejando bom dia, perguntando em como eu estava e sem pensar se declarou dizendo ser apaixonado por mim já fazia um bom tempo, mas não sabia em como me dizer, não queria atrapalhar minha vida, mas depois de ontem decidiu se declarar.

A partir daí minha vida virou de pernas pro ar, despencou, já não sabia mais o que seguir, pararia no tempo ou viveria uma aventura amorosa, um amor assim como sempre quis e achava que não existia mais.

A razão perdeu, me entreguei a loucura.
Vivendo duas vidas, os contratempos, e a indecisão de trocar pra sempre o rumo do meu coração.

Não tive coragem, fiquei em cima do muro... Consegui levar por muito tempo as duas vidas, mas um dia sempre acaba o que era bom se foi, fiquei com a razão. E a loucura a louca paixão partiu tomou outro rumo.

Ainda sofro com tudo isso, por minha covardia, mas acredito que fiz a escolha certa, hoje tento refazer minha vida com meu marido, que ainda continua comigo. Viver cada dia e ir levando a vida. Tudo na vida tem uma razão eu ainda vou descobrir a minha.

Hoje as vezes ainda ele me procura, mas eu procuro não atende-lo, não vê-lo. É melhor assim pra mim e pra ele.
A aventura acabou agora é viver a realidade.



De repente ...
Vem essa louca
vontade de você...
Vontade essa
aquela de estar abraçado
acariciar todo o teu corpo
beijando loucamente tua boca
Esse repente
me alucina...
percorre meus sentimentos
quase sem controle
que não cabe mais em mim...
Desejo compartilhar
com você...


Preciso abraçar-te
neste momento
com todas as minhas forças
Meu ser sente a tua falta
queria te abraçar agora
Mesmo que seja
apenas um instante
preciso afagar
teu rosto...
sentir teu corpo
colado ao meu
Abraça-me agora!
(Fouquet, 8 de novembro de 2010)

Nenhum comentário:

Postar um comentário