17 de abril de 2011

DO MESMO JEITO …







Ainda ouço o barulho seco da porta se fechando. Naquele momento meu riso morreu. A certeza de que sua ausência faria brotar solidão em mim pintou de cinza o mundo. Eu, o só e o mundo acinzentado… Todos os ingredientes necessários para a instalação permanente da tristeza. Acreditei que sempre voltaríamos um para o outro, a esperança do retorno fez de mim prisioneira física e emocional do “esperar seu regresso.” Sou no hoje a morada das faltas que sinto de você. Meu amor cresce a cada instante e o desespero da “não presença “ sua, me leva a fixar meu olhar em seus retratos. A imobilidade das feições me faz concluir que não possuo nada a que me agarrar, nem em você, nem lá fora: eu mais eu é igual à solidão, o só. Não estou lançando mão da hipocondria existencial para trazer você de volta para mim? Não sei, pode ser, mas não me interessa estes questionamentos tão… Tão… Tão filosóficos. Quero o real, e minha realidade reside em você. Eu não me basto, você basta a si mesmo? Não, esta certeza eu tenho, senão porque tirava de mim toda a pouca seiva que eu conseguia armazenar no pouco sono que eu dormia? Se não consegue ter só você, se não procura andar nos caminhos que o trazem a mim, então… Não quero pensar nesta transferência de amor. A morte do meu riso não aconteceu quando você bateu a porta para “o seu ir embora”, naquele momento aconteceu o sepultamento. O morrer do meu riso estava acontecendo nos dias que se sucediam. Eu não percebia, mas minha vida ao seu lado adoecia sempre que uma aurora despontava e meu sorriso, ou imitação dele, era uma caricatura trágica do medo de você ir, do receio de seu ficar. Amor que emanava a dor do bolor misturada ao gosto salgado das lágrimas do só. Nós prosseguíamos a viagem do amor com seus perdões incessantes, fingindo não haver tédio de vida a dois. Éramos tão intensos em tudo que esquecemos que um dia, por algum motivo, iríamos precisar entrar na vida, nos outros. Você me amou mal, eu… Também, e com o passar do tempo fomos perdendo a paciência para tantos desencontros, tantas desculpas. Tudo rotineiro demais: brigas, amor, amar, só nós dois isolados do convívio com os outros mundos pessoais. Não sei quem é a vítima. Eu? Você? Talvez nem haja vítimas, mas sim consentimentos. É esse amor assim, sujo, com cotidianos de amor doído, de frases sem significados, de presenças de ausências, que o quero de volta. Não me perdoa… Eu lhe perdoo, preciso de você. Sou um corpo vazio a implorar beijos, salivas, perdição. Preciso de você, em seu corpo eu vivo, eu morro… De amor!

MINHA PERSONAGEM, MINHA COMPANHIA






Existe em mim uma aparente contradição, quanto mais escrevo mais fica difícil escrever. Remexo as páginas já escritas e para mim isto não é bom, sinto-me nua diante de todas as personagens que existem na vida real. O texto ou o poema parecem não me pertencer, tenho a sensação de que não foram pensados nem escritos por mim. Tenho um sentimento de que estou traindo minhas personagens expondo suas vidas ao julgamento popular. Mas também penso que tudo é nada, é isso: Será que não estou competindo comigo mesma? Por exemplo, estou querendo escrever sobre uma pessoa, uma vida que criei. Ela se chama Helena Cortes. Mas está difícil. Não sei como separá-la de mim. Não tem como idealizá-la diferente de mim? Acontece que Helena tem a mesma tendência minha, ler e escrever. E se ela herdou isto de mim é que não consigo estar na vida sem ler e escrever. Ainda não sei o que Helena quer da vida, mas eu também não sei o quero da minha. Descobrirei devagar, o que ela quer e o que eu quero. Só que Helena é movida à intensidade de desejos, e eu por modesta submissão. Para escrever não posso desviar minha atenção senão perco a pouca capacidade inventiva. Helena é um grito que ecoa pelo ar, eu sou o murmúrio. Helena tem um timbre de voz alto, claro, limpo, o seu falar tem o dom de contar frivolidades como se fossem realidades profundas. Eu não tenho estilo, e quanto menos tiver, mais nuas são minhas palavras. Em meu estado de solidão sinto uma imensa necessidade de contar com alguém e por isso pari Helena: quero ter alguém para conversar. Acontece que já rasguei muitas páginas tentando um diálogo com ela. Helena se faz de surda ou não tem um posicionamento sem questionar muito: Numa página tem uma opinião, em outra diz outra, ela não chega a um consenso, eu perco a paciência porque não entendo este jeito de se posicionar diante de questões fundamentais. Helena nasceu de mim, mas somos tão diferentes! Ela é luz eu sou a escuridão. Ela escreve na claridade do sol, eu,noturnamente. Tento escrever por acaso. Quero que o pensamento aconteça na frase. Não sei expressar-me por palavras, me expresso pelo silêncio. As palavras me desafiam e escrevo pobremente. Helena não, ela ama as palavras que não dão sentido ,é uma peculiaridade dela, é liberdade de ser liberta da procura do sentido da vida, do dar sentido ao que escreve. Ela não necessita ser entendida pelo leitor, ela sente-se feliz em impactar. Escreve as palavras agarradas uma à outra para que não haja espaço para a interferência dela mesma. Eu não, enquanto não ponho cada vírgula no seu lugar, não fico satisfeita. As palavras, embora eu tenha dificuldades de lidar com elas, têm que estar bem colocadas para dar sentido a mim mesma. Por isso não dou nome às coisas, sinto-as sem pensar. Helena ainda está em estado bruto e acredito que ficará sempre. Preciso falar com ela sobre esta forma de pensar e ser, mas não quero coagir a alma dela. Mas como me aproximar sem a invasão tão nociva à convivência? Como sussurrar se ela gosta é do grito que ecoa para o longe? Será que terei que adaptar ao jeito tão “chão” dela viver a vida? Será que os papéis serão invertidos, eu a personagem , ela o ser criador da criatura? Não, eu a coloquei no mundo para que os leitores conhecessem o jeito dela lidar com a vida e com seus mundos! Helena foi minha até que perdi as forças para direcioná-la, me perdi dela nas montanhas de papéis rasgados e nos inúmeros diálogos escritos neles. Deixei-a ir para os desencontros e os encontros. Eu fico aqui sem explicações, na penumbra… Eu só presto atenção, mas no fundo não quero saber. Esqueço ou não quero saber nem de mim mesma. Esqueço o passado, esqueço o agora. Futuro? é o amanhã. Sou assim, sou nudez, não penso nem no instante porque tenho receio que ele vá embora. Nasci, estou no mundo, mas não quero que ninguém precise de mim, não sei ajudar, também não sei precisar. Mas esta não sou eu é Helena! Ela habita agora em mim, eu tão insegura, ela mais forte que eu. Helena me assassinou! Meu corpo está aqui e minha alma? Pensando bem, será que eu matei a mim mesma para que eu pudesse ser Helena? Mas se Helena está em mim, onde eu estou? Helena não aceitaria me ser. Possivelmente…

Súplicas


Dá-me
As migalhas de flores
Do teu cerrado,
Tuas árvores tortas,
Teus córregos de
Águas lentas
E o Rio Preto cantante.
Dá-me
As tuas nascentes
Frias dos riachos
Que envolvem
Teu corpo liso
No abraço das serranias.
Dá-me
Teu colar de grãos dourados,
Teu véu roxo, enfeites
Que seduzem gente
De outras paisagens.
Dá-me
Teu sol tórrido,
Tua pele morena,
Teu calor angustiante e
Teus entardeceres
Silentes,
Poéticos.
Vem
Minha terra pura,
Dá-me
O abraço
Que no ontem
Foi-me negado,
Dá-me
Teu chão para
Que tua terra me cubra
No plantio eterno
De quem retorna
A morada.
E nas noites,
Em plena pele da lua
Abrirei meus braços
Receberei teus abraços,
Beijarei teu chão
E dormirei… Eternamente.

Amor ancestral



Faz-me luz...
Faz-me água...
Seduz...

Mágoa?

E me refrato
Lembro cada ato
Cada prato dividido
Um futuro
Perdido
Que volta
Manso e sem revolta...

Perguntas
Sem respostas
Ninguém tem?

Passado volta em postas
Lírios de requién.
Ninguém sabe
Só uma mostra
De tudo que em nós, tem.

Nos sóis que sempre se põe sem fim
Neste imenso gramado
Mágica relva,
esta selva carmesim
de lembranças de nós crianças
suspensos na corda bamba
colhendo papoulas no jardim.

Na poeira do olhar




Cacei o olhar das nuvens!
Num apelo de pálpebras
Esguias janelas a me censurar
E de tudo que vi...do lago ao mar
Não deixei perdido nada, nada!
Assiino aqui mais um poema
Talvez o doce poema guardado
À calmaria das estrelas
Na poeira do meu olhar...

2 de abril de 2011

eletro download addd essa comunidade pase para seu amigo http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=112676847

eletro download addd essa comunidade pase para seu amigo

http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=112676847

Ask me anything

Qual é o melhor lugar perto de você para tomar um sorvete?

eletro download addd essa comunidade pase para seu amigo

http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=112676847

Ask me anything

Com quem e quando foi o seu primeiro beijo?

http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=112676847
addd essa comunidade eletro download

Ask me anything

Eae, dia 17.03, no Studiosp , Macaco Bong convida Emicida, quem vai?

oi galera to pasando pla avisa q foi pensando em vc q gosta de fazer download q criamos uma comunidade pla fasilida seu trabalho adddd e em diq plo seu amigo os moderadores agradese obrigado pela atenção http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=112676847

Ask me anything

When you're lost, are you more likely to ask for directions or find your way without help?

oi galera to pasando pla avisa q foi pensando em vc q gosta de fazer download q criamos uma comunidade pla fasilida seu trabalho adddd e em diq plo seu amigo os moderadores agradese obrigado pela atenção http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=112676847

Ask me anything

Diga o nome de quem te lembra : amor/carinho/abraço/beijo/sinceridade/falsidade/mentiras/ódio/risada/adeus

oi galera to pasando pla avisa q foi pensando em vc q gosta de fazer download q criamos uma comunidade pla fasilida seu trabalho adddd e em diq plo seu amigo os moderadores agradese obrigado pela atenção http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=112676847

Ask me anything